Usuários de ayahuasca tendem a comer mais saudável e fazer mais exercícios

ayahuasca e exercícios

Novas descobertas publicadas no Journal of Psychoactive Drugs sugerem que usuários regulares de ayahuasca se envolvem em certos comportamentos positivos de saúde que resultam em benefícios para a saúde física e mental. Comparados aos dados normativos, os usuários de ayahuasca praticavam mais exercícios físicos, tinham dietas mais saudáveis, desfrutavam de melhor bem-estar e tinham menos doenças crônicas.

A ayahuasca é uma bebida psicoativa originária da Amazônia que é tradicionalmente usada durante cerimônias religiosas na América do Sul. Nos últimos anos, a mistura ganhou popularidade em todo o mundo, devido aos seus efeitos alucinógenos e supostos benefícios à saúde mental. No entanto, a substância é proibida na maioria dos países ocidentais, pois contém o composto psicodélico N, N-dimetiltriptamina (DMT).

“Alguns países estão processando o uso da ayahuasca porque pode representar um risco à saúde pública”, disse o autor do estudo, José Carlos Bouso, diretor científico do Centro Internacional de Educação, Pesquisa e Serviço Etnobotânico (ICEERS).

Mas Bouso e sua equipe de pesquisa alertam que as decisões de banir a ayahuasca podem ter repercussões negativas. Por exemplo, tais políticas podem levar aqueles que participam de cerimônias de ayahuasca a atividades ilegais. Essas proibições também contrariam estudos preliminares que sugerem que a ayahuasca é relativamente segura, tem baixo risco de dependência e pode ser útil no tratamento de transtornos de humor e ansiedade.

Bouso e colegas procuraram investigar os riscos à saúde do uso regular da ayahuasca em um contexto ocidental. Eles concentraram seu estudo na Holanda, um país com crescentes redes de ayahuasca. A amostra foi composta por 377 usuários de ayahuasca entre 22 e 80 anos que participaram de cerimônias na Holanda. Mais da metade dos sujeitos (55%) havia participado de uma cerimônia de ayahuasca nos últimos seis meses e a maioria (58%) usava ayahuasca há mais de cinco anos. Pouco menos de um terço dos participantes (30%) participou de mais de 100 cerimônias.

Os participantes preencheram uma bateria de questionários de saúde que avaliaram vários indicadores relacionados à saúde, incluindo hábitos alimentares, níveis de atividade física, uso de substâncias, uso de medicamentos prescritos, visitas ao hospital ou médicos, presença de dor ou doença crônica e percepção subjetiva de saúde. Outras medidas de saúde foram apoio social, saúde mental, estratégias de enfrentamento e valores e realização de vida.

Os pesquisadores analisaram os resultados do questionário e compararam os resultados com os dados normativos holandeses. Essa comparação revelou que os usuários de ayahuasca eram menos propensos a ter pressão alta, diabetes ou doenças crônicas do que a população em geral. Eles também eram menos solitários do que as médias nacionais e mais fisicamente ativos, com 74% deles atendendo às diretrizes nacionais de exercícios. Os usuários de ayahuasca também tinham dietas mais saudáveis, consumindo mais frutas, verduras e legumes e comendo menos carne e grãos.

O consumo de álcool, tabaco e heroína dos usuários de ayahuasca foi semelhante às médias nacionais. Curiosamente, os dados de saúde não sugeriram diferenças nos danos relacionados a drogas entre a amostra de ayahuasca e a amostra normativa.

Os usuários de ayahuasca que participaram de mais cerimônias demonstraram alguns benefícios adicionais. Aqueles que participaram de mais de 100 cerimônias eram mais propensos a usar estratégias de enfrentamento ativas de resolução de problemas, enquanto aqueles que compareceram entre 3 e 10 cerimônias eram mais propensos a usar estratégias de evitação. Aqueles com mais experiência em ayahuasca também pontuaram mais alto em medidas de vida valorizada e vida engajada e usaram menos álcool durante a pandemia.

As descobertas estão alinhadas principalmente com um estudo anterior que examinou usuários de ayahuasca de longo prazo na Espanha.

“As decisões políticas sobre a regulamentação de drogas carecem de evidências e geralmente são baseadas em moral e preconceitos”, disse Bouso ao PsyPost, observando que há uma incongruência entre a literatura científica e a política de drogas. “Quase todas as pesquisas científicas já publicadas sobre a ayahuasca estão mostrando aspectos positivos.”

Mas os autores do estudo apontaram várias limitações para o estudo. A amostra foi composta em parte por voluntários, que provavelmente tiveram experiências positivas com a ayahuasca. As pessoas que pararam de usar a droga após experiências negativas provavelmente estavam sub-representadas. Além disso, os resultados são observacionais e não se sabe se o uso da ayahuasca está causalmente ligado à saúde.

“A saúde é uma construção complexa afetada por uma infinidade de fatores”, escreveram os autores em seu estudo. “A interpretação mais apropriada dessas descobertas é que as pessoas que costumam participar de cerimônias de ayahuasca também estão se engajando em outras práticas e estratégias de autocuidado, ou formas de lidar com o estresse que produzem o resultado final de um melhor estado de saúde”.

O estudo, “ Ayahuasca and Public Health II: Health Status in a Large Sample of Ayahuasca-Ceremony Participantes in the Netherlands ”, foi de autoria de Maja Kohek, Genís Ona, Michiel van Elk, Rafael Guimarães Dos Santos, Jaime EC Hallak, Miguel Ángel Alcázar-Córcoles e José Carlos Bouso.

fonte: https://www.psypost.org/2022/07/study-suggests-ayahuasca-users-tend-to-eat-healthier-get-more-exercise-and-experience-physical-and-mental-health- benefícios-63502